Home >> Meishu-Sama >> Memórias

 

POSTURA DA FÉ DEVOTADA A MEISHU-SAMA

 

 

Meishu-Sama é o fundador de uma religião que congrega milhares de fiéis; imagina-se, portanto, que seu dia-a-dia seja dedicado exclusivamente à Obra Divina, trancando-se no templo sem nenhum interesse, nem dando ouvido às coisas terrenas. Entretanto, sua vida não apresentava nenhuma característica semelhante às da vida de um asceta. Pelo menos aparentemente, a sua vida diária era bem comum.

Mesmo na sala em que ele trabalhava, não havia decoração que denotasse religiosidade. Era um gabinete muito simples. Havia, por exemplo, no toko-no-má, um arranjo de flores e um quadro típico reproduzindo uma paisagem; no centro, uma mesa; num canto, um rádio e uma estante.

Dessa forma, num ambiente comum, desenvolvia-se ininterruptamente, com incrível velocidade, a grande Obra de Salvação da humanidade.

Um único aspecto que sobressaía era o fato de Meishu-Sama trabalhar no estado de perfeita união Deus-Homem. Sendo assim, em nenhum cômodo de sua casa havia Imagem da Luz Divina ou outros objetos de cunho religioso. Os servidores aprimoravam sua fé centralizando-se em Meishu-Sama, sempre com os olhos profundamente fixos nele, de modo que não havia outra alternativa senão agir com seriedade dia e noite.

Meishu-Sama sempre dizia: "Não desvie sua atenção de mim. Faça o trabalho como se estivesse arriscando sua vida, centralizando-se apenas na minha pessoa". Por isso, devíamos estar sempre alertas, permanecendo atentos a todas as situações.

Quando Meishu-Sama distribuía tarefas aos servidores, fazia-o conforme a capacidade de cada um. Por isso, determinadas as tarefas, dizia: "Faça o melhor possível empregando toda a sua capacidade". Por exemplo, se uma pessoa recebia a incumbência de preparar tinta-carvão, ele exigia que ela se tornasse insuperável na execução desse trabalho. Costumava dizer: "Mesmo que você não se torne importante, seja uma pessoa capaz de cumprir exatamente o que lhe determinei. Se você conseguir agir tal qual eu falei, será um herói".

Certa vez, a um servidor que se atrasara nos preparativos na hora em que ele ia escrever as letras da Imagem da Luz Divina, Meishu-Sama disse: "Eu lhe ordenei que fizesse apenas isto; portanto, faça-o antes de mais nada, deixando outros afazeres para depois. Se fizer o que pedi, pode dormir ou divertir-se o resto do tempo, que eu não me importo e jamais reclamarei".

Assim, sempre que Meishu-Sama repreendia os dedicantes, era porque, como fiéis, os pensamentos e atitudes deles não estavam de acordo com a Lei e com a Lógica.

Não estar de acordo com a Lei significa não estar centralizado em Meishu-Sama. As palavras "Trabalhe centralizado em mim" é o Ensinamento que sempre devemos estar o mais atento possível, dando o máximo de nós. Caso haja o menor desvio nos seus pensamentos, a pessoa não conseguirá ter esse cuidado e atenção. Meishu-Sama censurava severamente tais desvios. O motivo pelo qual devemos trabalhar centralizados em Meishu-Sama é que ele próprio está centralizado em Deus, regulando seu dia-a-dia na harmonia com o Criador.

Meishu-Sama era extremamente rigoroso em relação ao horário. Não só por ter inúmeras ocupações, mas porque ensinava aos fiéis que também o cumprissem à risca, como caminho a ser respeitado pelo homem. Assim, seus trabalhos diários eram divididos com a perfeição dos ponteiros de um relógio.

 

Um Servidor

Reminiscências de Meishu-Sama

Imprimir

 

Jinsai.org - Vida e Obra do Mestre Jinsai

 

Copyright © Todos os direitos reservados