Home >> Ensinamentos >> Sociedade

 

A CAUSA DA POBREZA

 

 

O objetivo da nossa Igreja é construir um mundo isento de doença, pobreza e conflito. Quanto às questões relacionadas à doença, tenho a impressão de já tê-las examinado e explicado detalhadamente, sob todos os ângulos; não obstante, pretendo continuar dando esclarecimentos a respeito, pois se trata da medicina indicada por Deus. Agora, porém, falarei sobre o problema da pobreza.

A pobreza é decorrente da perda da saúde. Contudo, existem outras causas importantes. Além de não poder trabalhar, por causa da doença, a pessoa tem de gastar muito dinheiro com tratamentos médicos. Se for pouco tempo, ainda é suportável, mas, quando a doença se prolonga por um longo período, acarreta desemprego. Assim, o sofrimento causado pela doença é acrescido das dificuldades financeiras, de modo que a pessoa, com seu sofrimento duplicado, fica envolvida pelas escuras nuvens da intranqüilidade em relação ao futuro, não conseguindo ir nem para frente nem para trás. Podemos dizer que esse sofrimento é um verdadeiro inferno.

Por toda parte existem inúmeras criaturas em tal situação. Esses infelizes, ao conhecerem a nossa Igreja, logo conseguem vislumbrar a luz da esperança em relação ao futuro e sair do inferno em que vivem, começando a ter uma vida alegre. São exemplos concretos, que podem ser vistos em quantidade nas Experiências de Fé.

A maior parte dos casos de pobreza pode ser solucionada dessa forma. Mas, aprofundando um pouco mais, abordarei outro aspecto importante. Para tanto, relatarei minha experiência sobre o assunto, com a qual desejo ensinar o segredo da solução definitiva do problema.

Quando eu era jovem, apesar de ser ateu, sempre tive o desejo de melhorar a sociedade. Achando que, para isso, não havia meio mais eficaz do que uma empresa jornalística, fiz várias pesquisas e fiquei sabendo que, naquela época, precisaria de mais ou menos um milhão de ienes. Ora, eu sou de família pobre e só pude me casar e ter um lar graças à pequena soma em dinheiro que me foi presenteada por meus pais. Abri, então, uma lojinha de miudezas a varejo, a qual tinha uma largura de 2,70 m . Como os resultados foram bons, em pouco mais de um ano comecei no comércio por atacado e, aproximadamente dez anos depois, era considerado um bem-sucedido na vida; meus bens somavam o equivalente a cento e cinqüenta mil ienes daquela época (1919). Precipitando-me em conseguir logo a quantia necessária para a abertura da empresa jornalística, estendi demais a mão, de modo que acabei falindo, com dívidas até o pescoço. Conseqüentemente, tive de desistir da idéia de abrir a empresa.

Desesperado, recorri à Religião. Durante mais ou menos vinte anos, passei por inúmeros percalços e dificuldades, tendo sofrido muito por causa de vultosas dívidas. Agora, entretanto, vejo que tudo isso constituiu a minha prática ascética. Em geral, os religiosos se isolam nas montanhas, banham-se em cascatas e fazem jejum, mas acho que a minha prática foi muito mais difícil e sofrida. E não foi apenas uma ou duas vezes que me vi afundando em problemas financeiros. Vou revelar a “filosofia da pobreza”, que adquiri nessa época, através do estado de Iluminação.

Além da doença, a causa da pobreza são as dívidas. Cheguei à conclusão de que, se não as contrairmos, jamais ficaremos pobres. Ora, quando se toma dinheiro emprestado, inevitavelmente chega o dia em que se tem de pagar a dívida. Entretanto, ainda que se disponha do dinheiro suficiente, geralmente a data determinada para o pagamento é adiada. Aí está o desencontro. Quando se faz uma dívida, correm juros todos os dias, sem falhar um só, até que ela seja liquidada completamente. Por conseguinte, ainda que a pessoa tenha calculado um lucro considerável, subtraindo-se os juros, quase não haverá lucro. Além do mais, a dívida provoca uma constante intranqüilidade espiritual, e, nesse estado, a inteligência se atrofia, sendo impossível surgirem boas idéias.

As dívidas são a causa da maioria dos fracassos ocorridos na sociedade, e da maioria dos casos de pobreza. Eu, que despertei para essa realidade, sempre digo às pessoas: “Se você tiver cem mil ienes, empregue num negócio apenas um terço dessa quantia, isto é, trinta mil ienes”. Esse empreendimento, à primeira vista, parece pequeno, mas, com o passar do tempo, tornar-se-á grande. Caso haja um fracasso, a pessoa poderá começar tudo novamente, com outros trinta mil ienes e um novo método, pois já tem experiência do fracasso. É assim que a maioria começa a percorrer o caminho do sucesso. Ocorrendo outro fracasso, ainda restarão à pessoa os últimos trinta mil ienes; se ela fizer nova tentativa, é certo que desta vez será bem sucedida.

A maior parte das pessoas, no entanto, se tiverem cem mil ienes, começam empregando essa quantia toda; às vezes até fazem empréstimo de mais cinqüenta mil. Assim, começam com cento e cinqüenta mil, o que é realmente uma aventura. Se o empreendimento falhar, é natural que elas recebam um golpe fatal, do qual nunca mais conseguirão se recuperar. Todavia, se as pessoas agirem como eu faço, haverá um superávit monetário. Por isso, quando aparecem negócios pouco dispendiosos ou de lucro certo, deve-se entrar logo em ação. Ao contrário, quando a pessoa está com todos os seus recursos empatados, muitas vezes pode surgir um imprevisto na hora do pagamento, obrigando-a a deixar passar o prazo determinado. Com isso, a confiança que depositaram nela diminui. Se há uma reserva de dinheiro, ela sempre pode cumprir com a palavra no prazo do pagamento e, assim, ganhar maior crédito. É dessa forma que se obtêm grandes lucros.

Darei maiores exemplos sobre o assunto.

O principal motivo da derrota do Japão na última guerra foi a política de empréstimos. Parece que quase ninguém percebe esse fato, mas é preciso que se atente bastante para ele.

Até o início da guerra, o Japão veio aumentando suas importações a cada ano. Como as dívidas se avolumavam, foi necessário fazer novos empréstimos para pagá-las. Com esses empréstimos, o país aumentou seu poderio militar, expandiu seu território e cada vez estendeu mais suas mãos para invadir outros países. Naturalmente, além de empréstimos externos, também se fizeram empréstimos internos, de modo que o Japão acabou expandindo a política das dívidas públicas até o fim dos limites. Os prejuízos que a Ferrovia Nacional está sofrendo, atualmente, também são herança dessa política. Caso não a tivessem adotado, talvez não surgissem pessoas ambiciosas, ávidas de invasões. E mais: a cada ano o comércio aumentaria as exportações, e, sem dúvida alguma, o Japão estaria numa ótima situação. Em conseqüência, a cultura de cunho pacífico expandir-se-ia amplamente, a moral do povo se elevaria e seríamos uma nação feliz, invejada pelo mundo inteiro. Além disso, o país poderia importar com facilidade tudo quanto precisasse em matéria de alimentos, dando aos demais países uma sensação de paz e tranqüilidade em relação ao seu povo. Como resultado, as nações possuidoras de grandes territórios receberiam com muito prazer os imigrantes japoneses, e tornar-se-ia desnecessário o controle da natalidade.

Se a política de empréstimos de uma nação tem essas conseqüências, nos casos particulares acontece o mesmo. Acredito que, através de minhas palavras, compreenderam o método que deve ser empregado para solucionar o problema da pobreza.

 

30 de junho de 1949

Imprimir

 


Jinsai.org - Vida e Obra do Mestre Jinsai

 

Copyright © Todos os direitos reservados